RODA DE CONVERSA SOBRE MASCULINIDADES | banquete queer
DOSSIÊ DE LINGUAGEM NEUTRA E INCLUSIVA | workshop

com Pri Bertucci e Van Marcelino (Drag King Queer_Cidão Furacão) e participações de convidades

 

19 de NOVEMBRO de 2022 ~ 12h às 17h

bee2e7d4.png
logo_mostra_colorido.png
_DV_3129.jpg

o que?

  • 12h00 às 13h: Banquete Queer – Almoço coletivo* e troca de ideias.

  • 13h00 às 14h20: Masculinidades na Arte Drag King Queer – Roda de Conversa

  • 14h30 às 15h30: Workshop de Linguagem neutra e inclusiva

  • 15h30 às 17h00: Roda de conversa e oficina de escrita de linguagem neutra e inclusiva.

 

*almoço não está incluso no preço de inscrição. teremos opções de pastas frescas, pizzas de fermentação natural e saladas (menu aqui). todes terão 15% de desconto na conta final! :)

quando e onde

19/11/2022 - sábado - 12h às 17h

VALSA - Rua Angelina Vidal, 13 Lisboa

 

investimento

€15

Pagamento via MBWAY para 912960534 (na descrição inserir "seu nome + WS LINGUAGEM NEUTRA)

inclui:

 

para quem é?

Para todes, todas e todos que tenham curiosidade sobre o tema, estudantes, pessoas LGBTQIAP+ e profissionais de Diversidade & Inclusão.

_DV_7823.jpg
_DV_8323.jpg
_DV_8400.jpg

Conteúdo

MASCULINIDADES NA ARTE DRAG KING QUEER

Nos últimos anos, a discussão em torno da identidade do homem contemporâneo sugere que há uma verdadeira crise da masculinidade.

Há, no seio do que podemos chamar de “ sistema-sexo-gênero” onde os dispositivos de normatização dos corpos generificados em relação à uma feminilidade e masculinidade hegêmonicas são inalcançáveis e produtoras de disforias mútliplas.

A Mostra Internacional Drag King Queer, é pioneira em promover debates desde 2020 com artistas transgêneros e travestis de várias partes do mundo, que usam a arte drag king queer e queen para falar da estrutura opressora do patriarcado que impõe a dominação de um gênero sobre o outro. E na lógica da sociedade patriarcal, ser homem (cisgênero, branco e hétero) é ser uma figura de poder. Precisamos repensar várias das questões e dos elementos que compõem a experiência masculina. 

Em contrapartida, a arte “DRAG KING QUEER”, vem questionando o papel e a expressão de gênero dessa masculinidade hegemônica do homem branco e Cisgênero, conhecido socialmente, como: cisheteronormativo. 

A masculinidade não é o patriarcado. Mas falar sobre masculinidades está localizado em um contexto de uma sociedade patriarcal, sexista, que enxerga gêneros de maneira binária e hierarquizada. 

Precisamos imaginar e manifestar uma masculinidade que não dependa do patriarcado para existir. Precisamos também falar em masculinidades ao invés de masculinidade, porque ela existe em tantas formas diferentes. Nós temos uma ideia de masculinidade e ela acaba sendo tóxica, enquanto pensar em masculinidades permite que qualquer pessoa, seja homem, seja mulher, seja não binária, seja uma pessoa com inconformidade de gênero, explore as suas próprias masculinidades.

Como toda arte drag  é pautada em trazer à tona os símbolos exacerbados das expressões de gênero  masculina, feminina e andrógina,  o termo “Drag king Queer” foi cunhado pelo drag king queer Cidão Furacão (persona de Van Marcelino, pessoa não binária e queer) e sugere a importância de se queerizar (ou seja, olhar de uma perspectiva diferente da habitual) as definições da arte drag king. Atualmente, a arte drag vem se desenvolvendo e ressignificando esses símbolos.

Hj, Bola. Seja homem: a masculinidade desmascarada. Editora Dublinense, 2020. Porto Alegre. PG. 15.

PARA SABER MAIS:

https://www.dragkingqueer.com/

https://instagram.com/mostra_internacional_drag_king?igshid=YmMyMTA2M2Y= 

https://instagram.com/cidao_furacao_2020?igshid=YmMyMTA2M2Y=

DOSSIÊ DE LINGUAGEM NEUTRA E INCLUSIVA

O Dossiê de Linguagem Neutra e Inclusiva foi oficialmente lançado em Lisboa em outubro de 2021 em parceria com: Out & Equal e Rede Brasil do Pacto Global da ONU. Agora em 2022 o Instituto [SSEX BBOX] pioneiro no assunto na língua português trás ao Valsa esse workshop de aprofundamento.

 

No Brasil o Dossiê, que foi lançado durante o maior evento trans da América Latina, na Feira Trans em 2022, contou com a participação da professora Jaqueline Gomes Jesus e Francesco Crisci, com reflexões de UX e linguagem neutra e inclusiva, que ressalta a importância de valorizar e de estar ciente das diferentes maneiras pelas quais uma pessoa pode se comunicar, permitindo que essas pessoas façam e compreendam as suas escolhas, expressem sentimentos, necessidades e possam se envolver com o mundo à sua volta.

A linguagem não é algo natural, mas uma constituição social e histórica. A língua varia de uma cultura para a outra, assim como a maneira de aprendê-la e ensiná-la. As palavras formam a nossa maneira de pensar, sentir e perceber a realidade, além de determinar o mundo que nos rodeia, valores imperantes na sociedade, nossas diferenças e prioridades.

A comunicação é um importante instrumento de transformação social, podendo ser usada para definir e consolidar atitudes e percepções, além de voltar a padronizar sistemas de crença dentro de contextos sociais que, enquanto sociedade, incorporamos até agora. Modificar e atualizar a nossa linguagem é um movimento saudável, porque é através dessa nova linguagem que conseguimos interpretar os comportamentos que refletem o mundo no qual desejamos viver e trabalhar, promovendo grandes transformações pessoais e coletivas.

material de apoio

PARA SABER MAIS SOBRE A PUBLICAÇÃO DO DOSSIÊ DE LINGUAGEM NEUTRA & INCLUSIVA

https://ssexbbox.com/dossie/pt/

UM GUIA PARA PROMOVER A LINGUAGEM INCLUSIVA EM PORTUGUÊS

https://orgulhotrans.com.br/um-guia-para-promover-a-linguagem-inclusiva-em-portugues-2/

 

BAIXAR MATERIAL DE APOIO NO LINK ABAIXO:

https://orgulhotrans.com.br/quer-conhecer-mais/

quem facilita

 

PRI BERTUCCI

Artista social, educadore e pesquisadore da área de diversidade a pelo menos 2 décadas, identifica-se como pessoa não branca, não cis, não binária/gender queer. É CEO da [DIVERSITY BBOX] consultoria especializada em diversidade e equidade; é o fundador do Instituto [SSEX BBOX], projeto pioneiro no tema de justiça social que atua em San Francisco, São Paulo, Berlim e Barcelona desde 2011. Cocriador do um da linguagem neutra e do primeiro pronome de gênero neutro na língua portuguesa ILE/DILE e um maiores  precursores da sigla LGBTQIA+ no Brasil desde 2013. Idealizadore e produtore executivo da Marcha do Orgulho Trans de São Paulo, primeira Trans Pride do Brasil. Usa suas habilidades criativas de arte multimídia, abordagem somática e Comunicação Não Violenta (CNV) para trabalhar com pessoas e organizações em suas comunidades, trazer novas maneiras de pensar e ser, e de propor desafios sociais ao mundo.

VAN MARCELINO

Diretore de Produção do Instituto [SSEX BBOX], não binarie e queer. Artiste Visual com Especialização em editorial e infografia pelo Istituto Europeo di Design – IED. Atua nos projetos da Marcha do Orgulho Trans da Cidade de São Paulo, Conferência Internacional [SSEX BBOX] e Pride Label  [DIVERSITY BBOX]. Produziu exposições nacionais e internacionais desde 2011, como: Festival Europália Brazil, realizado na Bélgica; Portinari – Guerra e Paz; Impressionismo e a Modernidade e Mayas: Revelação de um tempo sem fim. Atou como técnica em montagem na 29ª Bienal de Arte de São Paulo 2010, MAC Museu de Arte Contemporânea “Transarquitetônica” de Henrique Oliveira. Trabalhou na empresa Expomus- Exposições Museus Projetos Culturais, MASP- Museu de Arte de São Paulo, na área de produção editorial, Centro Cultural São Paulo.

SOBRE O [SSEX BBOX]

No Instituto [SSEX BBOX] com mais de uma década de pesquisa, uma série de projetos e apoios foram e continuam sendo desenvolvidos para destacar a diversidade, inclusão e a equidade sobre os temas de gênero, sexualidade, população LGBTQIAP+, raça, etnia e pessoas com deficiência.

As ações do Instituto incluem apresentar ferramentas, conteúdos educacionais, e soluções estratégicas visando o exercício do olhar interseccional para grupos sub-representados. Com atividades nas cidades de São Paulo (Brasil), São Francisco (EUA), Berlim (Alemanha) e Barcelona (Espanha), em 2017 também foram feitas ações em Moscou (Rússia), em 2018 foram ações em Bogotá (Colômbia) e Osaka (Japão), em 2019 também em Paris e em 2021 houve o lançamento do Dossiê de linguagem neutra e inclusiva nas cidades de Porto e Lisboa (Portugal).

As atividades do Instituto [SSEX BBOX] tiveram início em 2011 a partir de uma série de web documentários educacionais que exploram temas da sexualidade e gênero para promover mudanças sociais com base nos direitos humanos.

Site oficial: http://orgulhotrans.com.br/

Instagram: https://www.instagram.com/ssexbbox

QUERO INSCREVER-ME!

Obrigada! Em breve entraremos em contacto :)